sábado, 10 de agosto de 2013

encontrar-me, no passado

Entre papéis perdidos, da altura da licenciatura encontrei uma folha, onde se apresenta uma recolha de poemas citados e ainda, um texto sem autor, com algumas partes riscadas e corrigidas.
à primeira leitura, pareceu-me qualquer coisa de interessante, meio depressivo, no entanto não deixou de me fascinar e resolvi procurar a proveniência do texto na net.

Pois, não o encontrei...

Após analisar um pouco, parece-me que as palavras ali escritas são da minha autoria, senão porque teria palavras riscadas e anotações por cima delas?
Enquadra-se talvez na minha fase alcoólica, não sei bem quem é o outro de quem falo, mas isso agora não importa nada.
Segue o texto:

Bebamos, nós os dois.
um no presente, outro no passado
para sermos o intervalo
entre um acontecimento e outro,
entre tempos, entre pessoas,
entre amores e ações...
Bebamos!
Que ao beber, ganhamos mililitros de vida
e o tempo é só prazer.
Deixa que riam de nós,
riremos e beberemos e ganharemos tempo
ou seremos outro, que não nós.
Bebamos, pois só assim nos encontraremos...


3 comentários:

  1. Como diz Baudelaire: "Devemos andar sempre bêbados"

    ResponderEliminar
  2. Sentia-me um génio da escrita nessa altura lool

    ResponderEliminar
  3. Muito charmoso. Vou espalhar por aqui, dentro e fora de mim.

    ResponderEliminar